quinta-feira, 3 de junho de 2010

deu na Folha de São Paulo


Introdução

Selo HowStuffWorks

Cerca de 300 anos antes de Cristo, uma força militar formada por 150 casais de homossexuais, conhecida como Batalhão Sagrado, fazia o chão tremer. Armados de espadas, escudos e muita bravura, eram membros da tropa de elite da cidade grega de Tebas. Temidos e respeitados tanto pelo seu povo quanto por seus inimigos, eram quase imbatíveis, pois cada soldado lutava ao lado de seu amante, sendo responsável por sua proteção. Mais de dois mil anos depois, a aparição coletiva de “indivíduos com orientação sexual voltada para pessoas do mesmo sexo, entre outras combinações”, continua causando arrepios. Mas não pelos mesmos motivos.

Parada Gay Paulista
Foto: Paulo Otero
Parada do Orgulho Gay na Av. Paulista em São Paulo

Empunhando bandeiras com as cores do arco-íris, “montados” em saltos altíssimos, fantasias extravagantes, perucas exuberantes ou simplesmente vestidos de forma convencional, um festivo batalhão composto por milhares de homossexuais (hoje identificados pela sigla GLBT – gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) invade as ruas de várias cidades do mundo uma vez por ano. Agora, como participantes das Paradas do Orgulho Gay, lutam contra a clandestinidade a que vêm sendo submetidos há séculos, desde que forças sociais, econômicas, culturais e religiosas estabeleceram os padrões “normais” de sexualidade vigentes até hoje

Parada Gay de São Paulo
2009

A 13ª Parada do Orgulho GLTB, que tem como tema "Sem Homofobia, Mais Cidadania – Pela Isonomia dos Direitos!", acontece no dia 14 de junho. O evento acontecerá durante o feriado prolongado de Corpus Christi, o que deve atrair 400 mil turistas, segundo projeção da SPTuris. A Parada terá a participação de 20 trios elétricos, além da realização de inúmeros eventos paralelos durante os dias que a antecedem, como a Feira Cultural, o Prêmio de Cidadania, Gay Day no Playcenter, a Caminhada Lésbica e várias oficinas. A programação espera atrair 3,5 milhões de participantes, que com muita atitude e dinheiro no bolso, ajudam a garantir elevados níveis de tolerância, visibilidade e diversão pelas ruas por onde passam.

Mas afinal, quando esse monte de gente foi obrigado a se esconder dentro do armário? Os mais antigos registros históricos encontrados por pesquisadores parecem mostrar que, do surgimento do homem no planeta até a Antiguidade, a sexualidade era vivida em suas variadas possibilidades com certa naturalidade. Foi somente com o advento do cristianismo e o surgimento das primeiras nações européias na Idade Média, que o sexo ganhou status de pecado, sendo justificável apenas para fins reprodutivos. Assim, todas as práticas sexuais que não se enquadravam nesta categoria viraram coisa do demônio. Passaram então a merecer punições, das mais leves, como a penitência, às mais “definitivas”, como a queima em fogueira. Com a contribuição da ciência e do direito no século 19, algumas dessas práticas, como o recém-nomeado homossexualismo, conhecido até então simplesmente como “relação entre pessoas do mesmo sexo”, passou a ser considerado também doença e crime.

Foi somente por volta dos anos 60 do século 20, com o movimento de contracultura, a revolução sexual, os avanços científicos e os progressos legais, que o homossexualismo deixou de ser considerado doença e foi descriminalizado em vários países. Conquistas que abriram espaço para um ativismo voltado para questões como o direito à visibilidade social e cidadania. Movimento que com o apoio de políticos, dos meios de comunicação, de intelectuais e de eventos, como as paradas gays, ganhou força na década de 70. Mas que com o surgimento da Aids nos anos 80 e sua vinculação inicial aos gays, sofreu um duro golpe. Revés que fez com que muita gente fosse obrigada a se tornar invisível novamente.

Participante da Parada Gay
Foto: Paulo Otero
Participante da Parada do Orgulho Gay em São Paulo

Gays, que nos anos 90, puderam sair das sombras graças à diminuição do pânico em relação a Aids. E que, com poder de compra, começaram a se tornar um atraente segmento de mercado a ser explorado. O que, tanto o poder público, quanto algumas empresas mais antenadas descobriram rapidamente, fazendo surgir em um passe de mágica alguns espaços amigáveis ao público gay, além de produtos, serviços, pacotes turísticos e, lógico, muita simpatia.

Confusões em 2009

Mesmo com um número menor de participantes, a 13ª edição do evento foi marcada por brigas e confusões. Uma bomba de fabricação caseira explodiu no Largo do Arouche, no centro de São Paulo, e deixou pelo menos 20 feridos.

Leia mais em VEJA.com

Atualmente a ciência se ocupa em discutir se a sexualidade humana é determinada biológica ou culturalmente. Já o direito decide se deve estender as conquistas legais da heterossexualidade aos gays ou não. Enquanto isso, é no espaço público que as batalhas mais difíceis ainda são travadas. É no dia-a-dia, nas ruas, nas escolas, nos locais destinados ao lazer, nos hospitais que todos os que tentam se tornar visíveis, sem querer no entanto se transformar em alvo, enfrentam as maiores dificuldades.

Talvez seja por isso que, ano após ano desde seu surgimento em 1970, as paradas gays no planeta todo venham ganhando proporções cada vez maiores. Pois, por enquanto, são nessas raras oportunidades que os níveis de tolerância aumentam sensivelmente mundo afora. Momentos em que outras formas de se relacionar podem ser vistas como uma realidade passível de coexistir com a dita normalidade. Sem que isso implique necessariamente na implosão da ordem social estabelecida, no final do mundo ou coisa parecida.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Mulher é presa por abusar de filha de 11 anos

Mulher é presa por abusar de filha de 11 anos


A Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA) prendeu uma mãe que abusava sexualmente da filha de 11 anos. A mulher foi detida em flagrante quando estava beijando a boca da menina e era acariciada nos seios pela filha. A cena era repetida diariamente na Praça da Independência, conhecida popularmente como pracinha do Diario, no bairro de Santo Antônio, no Recife.

Na manhã de hoje, a mulher, de 35 anos, foi levada até a GPCA para prestar depoimento sobre a situação. "Além de ter sido flagrada beijando a filha, existem outras denúncias que apontam que ela explorava a criança sexualmente", informou a delegada Kelly Luna, responsável pelas investigações.

Ela já vinha sendo investigada há mais de dois anos, desde que a menina tinha 9, devido a denúncias feitas por comerciantes que atuam próximo à praça. "Pessoas que trabalham no local afirmam já terem visto a mulher fazendo sexo oral na menina em público", afirmou o chefe da unidade técnica da GPCA José Rinaldo.

A mulher foi encaminhada à Colônia Penal Feminina do Recife, no bairro do Engenho do Meio. Ela foi autuada por estupro e exploração sexual. Por ser moradora de rua, a menina foi encaminhada ao Conselho Tutelar da Cidade do Recife, que ainda procura por parentes da vítima. Os nomes dos envolvidos estão sendo mantidos em sigilo em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Leia a reportagem completa na edição desta terça-feira do Aqui PE.

Por Anamaria Nascimento, especial para o Diariodepernambuco.com.br

???????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????Que se passa?

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

ora pois e então!



Como quem folheia um velho livro tafulhado na estante, me lembrei dele. O sujeito poderia, um tempo atrás, ser descrito como "página-virada". Uma lembrança fugaz, um troço que voltava à mente para fazer-me sofrer lânguida, desenfreadamente mergulhada em ópio. Agora, o fulano, que já tinha nome na minha lembrança - Fabrício -, revelava-se como literatura. Eu observava a brochura, sentia o cheiro das folhas, reconhecia cada parágrafo e me deslumbrava com tudo o que me vinha à memória.

Curiosa analogia. Um pequeno sinal, um livro e tantos significados. Quanta singularidade no pequeno istmo que separa homens de palavras escritas. Concentrei-me nos aspectos superficiais. A capa dura do livro era mesmo a face do sujeito. Os dedos precisavam exercer uma certa força para levantar aquele papel feito de tantos outros papéis. E me pareceu ser, de certo, uma fachada pesada, corroída pelo tempo, com as cores já esmaecidas, perdendo o brilho e o fulgor. E imaginei aquele rosto belíssimo, notável, coberto pela poeira de tantos anos. Onde se perdera?

Detive-me na textura do papel. Vários toques foram necessários para que eu dispusesse da sensação exata de folhear aquela publicação. Como quem sempre buscou a interação com a pele, como quem sempre se perdeu em contatos inoportunos e, mesmo assim, vastos. Era papel liso, mas em alguns pontos destruído pelas traças, pelo desgaste de tanto tempo de inércia e confinamento. Folhas e mais folhas numa seqüência lógica, carregando histórias, entretendo os "passageiros", pulverizando as personalidades mais descrentes. E o papel era a derme, a sensação primeira de um mergulho muito mais profundo.

Exalava um cheiro singelo. Como na primeira vez em que sua boca chegou mais perto; aquele momento quando sabemos se será ou não será, se a flor vingará ou não exuberante, viçosa. O bolor concentrado ali não havia eliminado o perfume de cada momento especial. O odor remetia aos gostos, aos sabores primários, às sensações do paladar. Lembrei-me, já entorpecida, dos lábios meus deslizando nos pêlos daquele homem. Era quase uma sabatina de corpo!

Que sedução o momento! Os olhos encharcados, uma interação verdadeira. Eu olhava o livro como quem olhava para um ser. Todas aquelas peculiaridades aguçando os meus sentidos - diria que até o sexto -, me envolvendo em uma mistura absurda e deliciosa, onde eu me sentia capaz de imaginar histórias bárbaras, de criar e de me submeter a um estado de "coisa", como são os livros já esquecidos nas imensas bibliotecas da vida.

Cativada, direcionei o olhar para cada palavra ali impressa. As cenas na mente, as possibilidades, a excitação, a ansiedade, detalhes, descrições... um refúgio. Senti a liberdade correndo pelas veias. Como era impressionante reaver toda a emoção de uns anos tantos estampada naquelas páginas, rememorando delícias. Cada parágrafo, imenso ou curto, fazia-me completa, trazia à tona todas as particularidades de uma certa época. Percebi que as mudanças eram evidentes, que a vida tinha se encarregado de fazer de mim uma eterna metamorfose, assim como fazia com aqueles de quem eu havia me desencontrado ao longo do percurso.

Fabrício estava sintetizado em livro. Experimentei a mesma impressão ao avistá-lo num dia qualquer. Eu o havia posto em uma prateleira esquecida lá no fundinho, depois de lê-lo, senti-lo, passar dias e dias deitada ao lado dele, comprimida, contraída em êxtase. Passei algum tempo sem percebê-lo depois que as nossas vidas tomaram rumos diferentes, após o nosso rompimento inusitado. Curioso como ele voltou a mim em forma de letras enfileiradas quando, ao devassar um livro antigo, me enchi de vida. Como reencontrei o velho volume, o vi passar na rua, lindo, informal. E o vejo de uma forma tão diferente, tão sincera e abundante. E percebi: ele está guardado em mim como assim ficam os melhores livros!

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

contagem regressiva

E eis que estamos em compasso de espera
a vida se apresenta sem esperanças, mas
nossa, do nosso jeito, sem apelos para bom senso
ou algo que o valha, a classe dos idiotas irão ser
maioria sempre, a economia cresceu apesar da crise
o dolar despencou, nossas exportações foram pífias
que o próximo ano que se inicia daqui a pouco seja
repleto de novidades, que tenhamos vida e que assim
seja, amem, amem muito, sem amor estamos lascados.

video

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Que se passa?

video Tudo tem estado absurdamente fora do eixo e meus olhos vislumbram o quão é engraçada a vida, num momento é só tesão, no outro é desgraça que não mata ninguém de inveja.

domingo, 18 de outubro de 2009

a mente humana

É cada vez mais comum vermos nos jornais, casos sobres abusos sexuais
de pessoas cada vez mais jovens, até dá pra compreender a anomalia em se
tratando de alguém pega na rua, levada para o esquisito e sendo consumado
o ato, é estranho, mas sabemos que a pessoa envolvida e doente mental, pois
não consegue controlar seus impulsos e ainda assim subjuga sua vítima na
maior covardia. Porém tem ficado bastante comum o caso de pais que fazem
isso com suas filhas, essa relação incestuosa provoca na vítima um sentimento
de decepção tão intenso que não mais se esquecerá pelo resto da vida, alguém
muito próximo e de total confiança, com seu ato abre uma lacuna que nunca
mais se fechará. Conheço o caso de uma amiga de trabalho que vive com uma
sensação duplamente decepcionante, ao vê-la sendo coberta por alguém tão
íntimo, seu irmão nem conseguiu pensar e atacou o agressor, matando-o na
hora, apesar da gravidade do fato e de todos os atenuantes ele foi preso, ela
foi ter acompanhamento psicológico por um longo tempo e mesmo assim
nunca mais se livrou do trauma, seu irmão virou bandido sendo morto algum
tempo depois. Hoje muitos anos depois, tendo superado essa desgraça toda
vive aqui perto de casa numa relação estável que já dura mais de meia década
com Drika, um docinho de ser humano que estudou comigo no colégio Marista.